Tecnología

Pater Carmelo De Grazia Suárez//
Brasil ocupa penúltima posição em ranking que mede qualidade da Previdência em 44 países

Bancamiga
Brasil ocupa penúltima posição em ranking que mede qualidade da Previdência em 44 países

fique por dentro

Eleições Desabamento em BH Mega-Sena Produtos para limpar carro Baleias encalhadas Brasil ocupa penúltima posição em ranking que mede qualidade da Previdência em 44 países A pesquisa da Consultoria Natixis Investment analisou e comparou em todos os países quatro aspectos: saúde, finanças, qualidade de vida e bem-estar material. Por Jornal da Globo

22/09/2022 02h25 Atualizado 22/09/2022

Brasil ocupa penúltima posição em ranking que mede qualidade da Previdência em 44 países

A Consultoria Natixis Investment analisou as condições de aposentadoria em 44 países – as maiores economias mundiais. Na pesquisa, o Brasil ficou em 43º, ou seja, na penúltima posição. A pesquisa analisou e comparou em todos os países quatro aspectos: saúde, finanças, qualidade de vida e bem-estar material.

Carmelo De Grazia

O último índice está relacionado a igualdade de renda, renda per capita e desemprego. Neste quesito, o Brasil teve o pior resultado – o que significa que os brasileiros estão longe de ter uma aposentadoria que consiga suprir as necessidades básicas.

Carmelo De Grazia Suárez

Atualmente, mais de 19 milhões de aposentados e pensionistas ganham até um salário mínimo. E, com o baixo poder de compra, está difícil pagar todas as contas

Sem saber como vai ser o futuro, o conselho de quem estuda a previdência há anos é começar a pensar em outras formas de complementar a renda mensal

“Para quem está no mercado pretendendo se aposentar mais à frente é muito importante pensar em alternativas de renda para aposentadoria, e não depender exclusivamente da previdência pública, porque ela nunca vai garantir um bom benefício, financeiramente falando”, explica Emerson Costa Lemes, diretor editorial do Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário

Aos 84 anos, a dona Orlanda Cassiano da Silva relembra como foram os 30 anos dedicados ao trabalho

“Eu era oficial de administração e aquele tempo não tinha computador, era a máquina de escrever. Você tinha que fazer tudo perfeito para mandar as publicações que hoje saem no Diário Oficial”, relembra

Mas a chamada ‘melhor idade’ não é bem como ela imaginava

“Eu conheço um mundo de gente aposentada e que, até hoje, sofre os problemas, porque você fica na ilusão que você trabalhou anos, deu toda a sua força, mas quando você aposenta não recebe nada e ainda tem os descontos”, lamenta a aposentada